... e a caminho de Damasco Saulo ouve uma voz que diz: Saulo, Saulo por que me persegues ? Saulo disse: Quem és Senhor ? Eu sou Jesus a quem tu persegues ! (Atos 9,3-5)

  Não se sabe exatamente quantos reis de Damasco chamados Bem Hadade aparecem na Bíblia; houve pelo menos quatro. O nome significa “filho de Hadade”, divindade intimamente a fim de Baal e do Rimom assírio, ambos deuses da chuva e do trovão.  Esses monarcas  sírios, ou arameus, eram descentes de povos nômades do deserto sírio que se haviam espalhado pelas planícies e pela região montanhosa que se estendia  ao sul do monte Hermom até o vale do rio Iarnuc.

O primeiro Rei de Damasco mencionado na Bíblia foi o contemporâneo de Baasa de Israel e Asa de Judá e promoveu sucessivos ataques aos judeus. Os Reis de Damasco foram grandes rivais tanto de Israel quanto de Judá durante um longo período causando a eles grandes danos. Apenas com o Rei Acabe os judeus conseguiram obter algumas vitórias militares, apesar de numericamente inferiores, pois o exército sírio cobria os campos por todos os lados e os soldados de Israel eram  apenas como “dois pequenos rebanhos de cabras” (IReis 2,25-30). Mas apesar da vitória Acabe não ousou perseguir os sírios para se vingar pois temia a ameaça de um outro inimigo que se aproximava, e que era muito mais poderoso: os assírios.

   A divisão do povo hebreu em dois reinos separados, Israel ao norte e Judá ao sul, foi decisivo para o enfraquecimento do povo judeu. E assim o poderoso exército assírio não tardou a chegar e o Reino de Israel não teve como resistir. As dez tribos que formavam o Reino de Israel foram levadas cativas para a Assíria, onde desapareceram das páginas da história. Sírios e outros povos foram trazidos para a Samaria e tornaram-se os samaritanos da Bíblia (II Reis 17,3-6).
   Porém é no episódio da conversão de Saulo que a Síria ganha importância para a história cristã. Saulo, judeu piedoso, estava tão decidido a acabar com os seguidores de Jesus que  empreendeu uma viagem à Damasco para procurar adeptos de Cristo e traze-los de volta à Jerusalém, para julgamento. Nesse tempo, na estrada de Damasco, foi subitamente envolvido por uma luz brilhante, caiu por terra e ouviu a voz de Jesus (At 9,3-5). A conversão de Saulo foi completa e imediatamente começou a pregar sua nova fé em Damasco, onde vivia numa rua chamada Direita. Este foi o início da evangelização da Síria, que ainda hoje conta com importantes comunidades cristãs.
   Damasco, a capital do país, possui mais de 2 milhões de habitantes e se auto proclama a mais antiga cidade do mundo habitada de forma contínua.Foi conquistada por vários reis, entre eles, o Rei Davi, Nabucodonosor, pelos persas, foi base militar romana e sede do califado Omeyade tendo desfrutado de grande esplendor durante o período de Saladino. Destaca-se para o peregrino cristão, a Basílica de São João, hoje transformada em mesquita muçulmana, e a capela de Ananias ou São Paulo.
   Alepo é a segunda cidade em importância da Síria e foi, desde a antiguidade, um importante centro comercial. Esta cidade possui uma elevada população cristã, principalmente de origem Armênia que habita o bairro de Al Jadayda. Nos arredores de Alepo se encontra Qalaát Samaan, a Igreja de São Simeão, um conjunto de quatro basílicas edificadas no século V.    

  
Uma viagem à Síria não estará completa sem uma visita a Maaloula, pitoresco povoado onde ainda hoje, se fala o aramaico, idioma de Jesus, e onde está localizado o Convento de Santa Tecla. Outro ponto a ser visitado é a Fortaleza “Crac dos Cavaleiros”, edificada pelos cruzados no século XII numa posição estratégica que assegurava praticamente todo o controle do interior do país. Em 1272 foi conquistada pelos mamelucos.